Choose your country

MENNEKES

Norma IEC 61439 relativa a conjuntos de aparelhagem de baixa tensão

A norma IEC 61439, que substitui a norma IEC 60439, descreve a conceção e as especificações de ensaio para conjuntos de aparelhagem de baixa tensão. A nova norma tem impacto na distribuição de energia elétrica na indústria, nas instalações elétricas domésticas e nos estaleiros de construção.

Para cada modelo de conjunto de aparelhagem de baixa tensão, são necessárias duas normas principais:

  • A norma fundamental, referida como "Parte 1" nas normas específicas;
  • As partes 2 a 7 da norma relativa a conjuntos de aparelhagem de baixa tensão, que tratam das especificidades da aplicação em questão.

Os requisitos desta norma, que sejam objeto de acordo entre o fabricante dos conjuntos de aparelhagem e o utilizador, sofreram alterações. Esta listagem facilita a prestação de informações sobre as condições básicas e as exigências específicas do utilizador.

Alterações e vantagens da IEC 61439

O que mudou com a nova norma IEC 61439 relativa a conjuntos de aparelhagem e quais são as vantagens para os clientes da MENNEKES?

Segurança do produto

Futuramente, todos os conjuntos de aparelhagem de baixa tensão têm de ser testados de acordo com a norma IEC 61439. O requisito de verificação da conceção é novo. A verificação da conceção substitui os ensaio de tipo.
As combinações de tomadas da MENNEKES são submetidas a ensaios de rotina adicionais, em conformidade com a norma.
Os circuitos de saída são carregados individualmente com a respetiva corrente nominal.

A sua vantagem: 
Garantia de um nível de segurança ainda mais elevado.

Documentação clara

Placa de características informativa – informações obrigatórias claramente definidas, tais como o fator de diversidade estipulado RDF (anteriormente: fator de simultaneidade).

A sua vantagem: 
As principais informações técnicas do produto estão imediatamente visíveis na placa de características.

Especificações claras

No caso de pedidos de soluções personalizadas, são necessárias especificações claramente definidas por parte do utilizador (p. ex., local de instalação, temperaturas ambiente, etc.).

A sua vantagem: 
Recebe da MENNEKES uma solução baseada nas suas necessidades e adaptada à aplicação específica.

Distinção entre fabricante de origem e fabricante

Se um produto for modificado no local, a empresa responsável pela modificação passa a ser considerada como fabricante. Neste caso, essa empresa tem de realizar um novo ensaio e elaborar documentação nova.

A sua vantagem: 
Para as combinações de tomadas prontas para ligação, a MENNEKES atua, simultaneamente, como fabricante de origem e fabricante, assumindo, por isso, a inteira responsabilidade pelo produto.

Informações sobre a norma IEC 61439

Informações sobre a norma IEC 61439

Em 2012, o processo de reestruturação e revisão dos requisitos de segurança para aparelhagens de baixa tensão ficou concluído com a publicação da norma IEC 61439-1:2012. Em setembro de 2014, a norma anterior IEC 60439-1 foi substituída pela norma IEC 61439-1:2012. Desde essa data, a aplicação da norma IEC 61439 passou a ser obrigatória (para todos os novos conjuntos de aparelhagem de baixa tensão), devendo o planeamento e a documentação ser obrigatoriamente executados em conformidade com a norma IEC 61439-1:2012 e respetivas partes.

Esta norma tem como objetivo harmonizar a maioria dos regulamentos e requisitos gerais aplicáveis a conjuntos de aparelhagem de baixa tensão, de modo a uniformizar os requisitos e os controlos aplicáveis aos conjuntos de aparelhagem de baixa tensão e evitar a necessidade de realizar controlos em conformidade com outras normas. Todos os requisitos dos diferentes conjuntos de aparelhagem de baixa tensão foram reunidos nesta norma fundamental, a par de outros tópicos de interesse e aplicação gerais, p. ex., o aquecimento, as propriedades de isolamento, etc.


Para cada modelo de conjunto de aparelhagem de baixa tensão, são necessárias duas normas principais:

  • A norma fundamental, referida como "Parte 1" nas normas específicas;
  • As partes 2 a 7 da norma relativa a conjuntos de aparelhagem de baixa tensão, que tratam das especificidades da aplicação em questão.

A norma IEC 61439 é constituída pelas partes seguintes:

IEC ...

61439-1: Regras gerais

61439-2: Conjuntos de aparelhagem de potência

61439-3: Quadros de repartição

61439-4: Conjuntos para estaleiros

61439-5: Conjuntos para redes de distribuição pública

61439-6: Sistemas de canalização pré-fabricada

61439-7: Projeto – Conjuntos para instalações públicas específicas, tais como marinas, parques de campismo, mercados e estações de carregamento de veículos elétricos

Os requisitos desta norma, que sejam objeto de acordo entre o fabricante dos conjuntos de aparelhagem e o utilizador, são resumidos a seguir. Esta listagem facilita a prestação de informações sobre as condições básicas e as exigências específicas do utilizador.

Verificação da conceção

Para além da verificação da conceção, o fabricante também tem de fornecer uma prova da verificação de rotina, que garanta a configuração conforme com a norma, a exclusão de falhas de material e o cumprimento dos requisitos de segurança elétrica.

Definição de "Fabricante de origem" e de "Fabricante do conjunto de aparelhagem"

Fabricante de origem

Organização/empresa que realizou a construção de origem e as respetivas verificações, em conformidade com a norma.

 

Fabricante do conjunto de aparelhagem

Organização que completa um aparelho e o transforma numa unidade funcional. O fabricante é responsável pela verificação de rotina e, como tal, pelo produto (avaliação da conformidade).


Significado para os produtos da MENNEKES:
Para os equipamentos pré-cablados, a MENNEKES atua, simultaneamente, como fabricante de origem e fabricante. Neste caso, a responsabilidade e a apresentação das verificações competem à MENNEKES. Para os equipamentos parcialmente cablados, porém, não podemos declarar a respetiva conformidade com a norma. Neste caso, a "entidade que finaliza a cablagem" torna-se o fabricante e tem de declarar a conformidade. É necessário fornecer informações a essa entidade, para que possa avaliar a conformidade do equipamento final.

Aquecimento

O limite máximo da temperatura ambiente é de +40 °C. 
No entanto, o valor médio da temperatura ambiente durante um período de 24 horas não deve ser superior a +35 °C.

Existem diversos métodos para verificar o aquecimento. Quer seja mediante ensaio do conjunto de aparelhagem, quer por comparação com uma referência conhecida, ou ainda através de uma peritagem, p. ex., de acordo com as regras de construção aplicáveis. Independentemente do método utilizado para determinar o aquecimento e, por conseguinte, a carga elétrica máxima do conjunto, é obrigatório garantir o cumprimento dos limites de temperatura aplicáveis.

O conjunto de aparelhagem e os seus circuitos elétricos têm de ser capazes de suportar as correntes estipuladas em determinadas condições, tendo em consideração os valores atribuídos aos componentes, bem como a sua adequação e aplicação, sem exceder os valores-limite conforme a norma DIN EN 61439-1, Tabela 6, Parte 1. Os limites de temperatura da tabela 6 são válidos para uma temperatura ambiente média de +35 °C.
▶ É necessário ter em consideração os limites de temperatura dos equipamentos instalados!

Aquecimento – Substituição de componentes

Um dispositivo/componente só pode ser substituído por um dispositivo de construção idêntica ou similar de uma série que não a utilizada na verificação, se a perda de potência e, consequentemente, o aquecimento das ligações for inferior ou igual à do dispositivo a ser substituído.

Carga do maior circuito elétrico e de todos os circuitos de saída individualmente com corrente estipulada

Segundo a norma IEC 61439, todos os circuitos elétricos têm de ser capazes de suportar individualmente as correntes estipuladas, sem exceder os valores-limite de temperatura no processo. Caso sejam adicionados mais circuitos elétricos, pode ser definido um fator de carga estipulada.

Valores estipulados InA, Inc, RDF

Definição de InA segundo a norma

A corrente estipulada do conjunto de aparelhagem InA é a corrente total que o barramento principal consegue distribuir na respetiva instalação do conjunto, sem exceder os valores-limites de temperatura conforme IEC 61439-1, secção 9.2!

A corrente estipulada InA é considerada como sendo a corrente máxima que o conjunto consegue distribuir através dos seus circuitos de saída com carga contínua a 100%.

Definição de Inc  segundo a norma

A corrente estipulada de um circuito elétrico é o valor da corrente que este circuito elétrico pode suportar em condições de funcionamento normais, em caso de operação isolada. O conjunto tem de ser capaz de conduzir esta corrente, sem exceder os limites de temperatura máx. dos componentes individuais especificados na norma IEC 61439-1, secção 9.2.

Definição de RDF (fator de diversidade estipulado) segundo a norma

O RDF é o valor percentual especificado da corrente estipulada, com o qual os circuitos de saída Inc (individuais) de um conjunto de aparelhagem podem ser utilizados de forma contínua e simultânea, tendo em devida consideração as influências térmicas recíprocas. Neste processo, a InA nunca deve ser excedida.

Tabela 101 da norma IEC 61439-3 Valores de carga assumida

Número de circuitos elétricos principais

Fator de carga assumido

2 and 3

0,8

4 and 5

0,7

6 up to and including 9

0,6

10 (and more)

0,5

 

Esta tabela contém valores de referência; em caso de dúvida, aplicam-se sempre as especificações do fabricante.

Acordos entre fabricantes de conjuntos de aparelhagem e utilizadores

Estabelecimento de acordos entre o fabricante e o utilizador

As indicações a seguir correspondem aos valores padrão definidos para os conjuntos do catálogo da MENNEKES. Em caso de projetos especiais ou de desvios destes valores padrão, estes devem ser previamente acordados entre o utilizador e o fabricante. Estes acordos têm de ser estabelecidos entre a MENNEKES e o utilizador / cliente durante a fase de orçamentação (antes da produção e da venda).

A tabela seguinte é uma "referência geral", que se aplica a aproximadamente 98% dos equipamentos da MENNEKES. Estas especificações não se aplicam a projetos especiais, cujos dados têm de ser comunicados em separado pelo utilizador antes do planeamento do projeto. Nestes casos especiais, é necessário considerar outros detalhes com a ajuda das normas referidas e das respetivas subnormas de produtos.

Característica

Valor padrão

Opção normativa

Padrão MENNEKES

Sistema consoante o tipo de ligação à terra

execução de acordo com os requisitos locais

TT / TN / IT

TN / TT

Tensão nominal

conforme as condições de instalação locais

máx. 1000 V CA ou 1500 V CC

400 V CA

Sobretensões transitórias

determinadas pelo sistema elétrico

categoria de sobretensão I / II / III / IV

cat. III / fichas e tomadas cat. II

Sobretensões ocasionais

tensão nominal mín. + 1200 V

consultar valores nas tabelas 8 + 9 ou 10

1890 V (CA)

Frequência nominal

conforme as condições de instalação

CC / 50 Hz / 60 Hz

50 Hz

Resistência a curto-circuitos

determinada pelo sistema

N + PE máx. 60% dos valores do condutor externo

Icc máx. ≤ 10 kA

SCPD na fonte de alimentação

conforme as condições de instalação

sim / não

não

Coordenação entre dispositivos de proteção contra curtos-circuitos no interior ou no exterior do conjunto de aparelhagem

conforme as condições de instalação

presente / instalar / integrar

dependente do artigo

Informações sobre cargas que podem eventualmente contribuir para a corrente de curto-circuito

não são permitidas cargas que possam eventualmente contribuir para a corrente de curto-circuito

nenhuma

nenhum

Grau de proteção contra choque elétrico – isolamento básico

proteção básica

cumprir os requisitos locais

proteção básica

Grau de proteção contra choque elétrico – proteção contra defeito à terra

proteção contra contacto indireto / cumprir os requisitos locais

desligamento automático / seccionamento de proteção / isolamento de proteção

dependente do artigo

Local de instalação

padrão do fabricante

interior / exterior

dependente do artigo

Grau de proteção

interior mín. IP 2x / exterior mín. IP 23

IP xx (A-D)

IP 44

Proteção contra impactos mecânicos

 

se necessário, especificação do código IK (IEC 62208)

informação disponível a pedido

Resistência a radiação UV

 

necessária para invólucros de instalação exterior

informação disponível a pedido

Resistência à corrosão

para instalação interior e exterior

sim / não

dependente do artigo

Valores limite da temperatura ambiente

interior: mín. -5 °C

exterior: mín. -25 °C

limite máximo (ambos): +40 °C

valor médio máx. (24 h): +35 °C

nenhuma

Valores padrão! Ver produto para informações sobre desvios

Humidade relativa máxima

90%

exterior: 100 % à temperatura máx. de +25 °C

interior: 50 % a +40 °C

Valores padrão! Ver produto para informações sobre desvios

Grau de poluição

ambiente industrial 3

1, 2, 3, 4

3

Altitude

≤ 2.000 m

ter atenção aos fatores

≤ 2.000 m

Ambiente CEM

A ou B

A / B

B

Condições especiais de utilização (vibração, atmosferas potencialmente explosivas, fortes campos magnéticos ou contaminação)

sem condições especiais

nenhuma

não definido!

Formato exterior

de acordo com as especificações do fabricante

aberto / fechado / vertical / instalação embutida e saliente / consola

fechado

Portátil ou fixo

de acordo com as especificações do fabricante

sim / não

dependente do artigo

Medidas e peso

de acordo com as especificações do fabricante

nenhuma

dependente do artigo

Tipos de condutores inseridos pelo exterior

cabos

cabos / sistemas de canalização prefabricada

cabos

Materiais dos condutores inseridos pelo exterior

cobre

cobre / alumínio

cobre

Secções transversais dos condutores externos, condutores PE, N e PEN

conforme especificado na norma

nenhuma

nenhum

Requisitos especiais aplicáveis à marcação das ligações

de acordo com as especificações do fabricante

nenhuma

padrão do fabricante

Requisitos aplicáveis ao armazenamento e transporte (tipo de transporte, condições ambiente divergentes, dimensões máx., requisitos de embalagem)

padrão do fabricante

nenhuma

informação disponível a pedido

Operacionalidade (acesso, direitos de ativação, seccionamento)

fácil acesso

pessoas autorizadas, pessoas vulgares, etc.

dependente do artigo

Requisitos aplicáveis à acessibilidade para a operação, inspeção, manutenção ou ampliação

inspeção, substituição de componentes, ampliação, manutenção, etc. exclusivamente por pessoal qualificado (requisito)

nenhuma

inspeção, substituição, ampliação, manutenção, etc. exclusivamente por pessoal qualificado

Separação dos circuitos elétricos de saída

de acordo com as especificações do fabricante

individualmente / em grupos / todos

dependente do artigo

Tipo de subdivisão interna

de acordo com as especificações do fabricante

forma 1, 2, 3, 4

nenhum

Corrente estipulada do conjunto de aparelhagem

padrão do fabricante; consoante a aplicação

nenhuma

dependente do artigo

Corrente estipulada dos circuitos elétricos (InC)

padrão do fabricante; consoante a aplicação

nenhuma

dependente do artigo

Fator de diversidade estipulado (RDF)

Especificação da norma

RDF para circuitos elétricos/RDF para o conjunto de aparelhagem completo

dependente do artigo

Razão da secção transversal entre o condutor externo e N*

O ≤ 16 mm2 = 100%

O > 16 mm2 = 50%

min. 16 mm2)

para correntes no N, até 50% dos condutores externos; caso contrário, é necessário um acordo especial!

Condutor externo = secção transversal do condutor de neutro

 

* A MENNEKES projeta o tamanho do condutor neutro de acordo com a corrente máxima permitida para as fases. Em caso de condições especiais de utilização (consultar IEC 61439, secção 7.2, e IEC 61439-1, anexo 1, secção 13.5) relacionadas com a razão do condutor neutro com o condutor externo (consumo de corrente alternada com cosφ muito baixo e diferente ou harmónicas excessivas na tensão de alimentação ou na corrente de carga), pode ser necessária uma proporção diferente entre o condutor neutro e o condutor externo. Tal deve ser comunicado pelo utilizador.